Amapá é referência em estudos sobre a Biodiversidade

Publié le par NaraChamblay

Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Tropical é o único do tipo no país e já produziu 13 trabalhos científicos.


Com 13 dissertações de mestrado defendidas em quase três anos de atividades, o Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Tropical (PPGBio) vem atingindo o objetivo de formar profissionais com uma forte base científica para colaborar com os esforços de promoção da conservação e do uso sustentável da biodiversidade do Amapá. Criado em julho de 2006, através de uma iniciativa da Conservação Internacional (CI-Brasil), da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), do Instituto  de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá (IEPA) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA-AP), o PPGBio é referência entre os cursos de pós-graduação da UNIFAP e o único, entre os programas de pós-graduação de todo o país, voltado para a qualificação específica em biodiversidade tropical. Nesta sexta-feira (22), Dia Mundial da Biodiversidade, o PPGBio encerra sua disciplina de Biodiversidade comemorando a defesa de trabalhos dos alunos de sua primeira turma de mestrado e a obtenção do conceito 4 pela Capes, considerado um excelente nível para um curso novo.


Entre as dissertações produzidas estão temas que incluem a aplicação de sistema de modelagem de qualidade da água em rios do estado; a estrutura populacional de árvores pioneiras em bordas de floresta; aspectos morfológicos e estudo tecnológico das sementes e plântulas de espécies florestais visando o seu controle; avaliação e compensação financeira pela exploração de recursos minerais no Amapá; e o estudo de aves de savana amazônica no estado, entre outros. Os alunos da primeira turma de mestrado receberam bolsas de estudo da Conservação Internacional. Em quatro editais lançados para mestrado e doutorado, o programa já recebeu em seu processo seletivo inscrições de 434 candidatos do Amapá e de outros estados do Brasil.


PARCERIAS

São hoje 24 docentes, alguns dos quais responsáveis pela coordenação de projetos de pesquisa aprovados com financiamento de importantes agências de fomento, como CNPq, FINEP, CAPES, EMBRAPA, Gordon & Betty Moore Foundation e Latin American Studies Association (Lasa). As  agências contribuem para o apoio e desenvolvimento da pesquisa junto aos mestrandos e doutorandos, além de apoiar a estruturação de laboratórios e a realização de atividades gerais de estudos sobre a biodiversidade tropical, como explica Helenilza Cunha, Doutora em Ciências da Engenharia Ambiental pela Universidade de São Paulo (USP) e Coordenadora do PPGBio(:) “As parcerias, como a instituída com o Programa de Pós-Graduação em Ecologia do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (PPG-Eco/INPA), têm uma parcela de contribuição promissora no intercâmbio de informações e dados que ajudarão a elevar a produção científica dos docentes envolvidos”, explica.


Helenilza observa que a aproximação do PPGBio com cursos de graduação local está sendo fortalecida com a realização de encontros anuais do Programa, reunindo interessados nos mini-cursos e simpósios apresentados pelos pós-graduandos. É o momento em que eles divulgam suas pesquisas desenvolvidas no Mestrado e Doutorado. Este ano, o Encontro acontece entre os dias 8 e 10 de junho, na UNIFAP, quando mestrandos e doutorandos irão ministrar 14 mini-cursos sobre temas como fungos, coleta de invertebrados, manejo de recursos naturais e manejo de açaizais, entre outros.


A produção dos trabalhos também tem contribuído com subsídios para a geração de conhecimentos inéditos sobre a gestão, caracterização e uso sustentável da biodiversidade, além de gerar informações que auxiliam na tomada de decisões governamentais nas esferas municipal, estadual e federal e beneficiam comunidades que vivem em regiões estratégicas. É o caso das reservas extrativistas, unidades de conservação e bacias hidrográficas com potencial econômico e sob impactos de barragem.


O Vice-Presidente para a América do Sul da Conservação Internacional, Dr. José Maria Cardoso, ressalta que o PPGBio é conseqüência direta dos esforços para implementação do Corredor de Biodiversidade do Amapá, uma das maiores iniciativas de conservação da biodiversidade e desenvolvimento em todo o mundo. O programa também vem preencher uma lacuna importante no desenvolvimento de pesquisas sobre biodiversidade, já que o Amapá ainda possui um volume reduzido de produção científica sobre o próprio estado, ainda que seja o mais preservado do Brasil, com mais de 90% dos seus ecossistemas naturais intactos e 73% de sua área natural transformados em áreas protegidas. “Estas dissertações contribuirão muito para aumentar o conhecimento sobre o Amapá gerado no próprio Amapá, por instituições do Estado. As dissertações apresentam uma grande variedade de temas e todas contribuirão muito para o aprimoramento de políticas públicas inovadoras para a consolidação do Corredor de Biodiversidade do Amapá”, destaca José Maria Cardoso.


Dissertações defendidas pela primeira turma de mestrado do PPGBio

1- Cassandra Pereira de Oliveira: Análise de Cenário Agrícola e de Conservação para Paisagens de Cerrado no Amapá.

2- Claudia Funi: Caracterização dos padrões espaciais e temporais de desmatamento na Reserva Extrativista do Rio Cajarí, Estado do Amapá, Brasil.

3- Daímio Chaves Brito: Aplicação do Sistema de Modelagem da Qualidade da Água em Grandes Rios: o Caso do Alto e Médio Rio Araguari-AP.

4- Danielle dos Santos Lima: Ocorrência de ariranhas Pteronura brasiliensis (Carnívora: Mustelidae) e interferências antrópicas à espécie no lago Amanã, Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã, Amazonas.

5- Danielle Mariana Montenegro Herculano da Silva: Macrofauna edáfica, biomassa microbiana e qualidade do solo em sistema alternativo ao uso do fogo na agricultura itinerante da Amazônia.

6- Graciliano Galdino Alves dos Santos: Efeitos de Borda sobre a estrutura populacional de árvores pioneiras em duas regiões da Amazônia Brasileira.

7- Helena Cristina Guimarães Queiroz Simões: Avaliação da Compensação Financeira pela exploração dos Recursos Minerais no Estado do Amapá.

8- Isai Jorge de Castro: Assembléia de Morcegos ( Chiroptera: Mammalia da Área de Proteção Ambiental do Rio Curiaú, Amapá.

9- Katianne Miranda Gonçalves: Caracterização da Dinâmica da Comunidade de Bacterioplâncton no Estuário do Rio Amazonas (Canal do Norte) - AP.

10- Márcia Bueno: Ipomea carnea Jacq. ssp. fistulosa (Mart. ex Choisy) D. Austin: Caracterização na Rebio Lago Piratuba – AP, Aspectos Morfológicos e Estudo Tecnológico das Sementes e Plântulas Visando seu Controle.

11- Paulo Marcelo Veras Paiva: Estrutura populacional, produção e regeneração natural de castanheiras na Reserva Extrativista do Rio Cajarí-AP

12- Roberta Lúcia Boss: Aves de uma Savana Amazônica no Estado do Amapá.

13- Zenaide Palheta Miranda: Aspectos morfofisiológicos de Mora paraensis (Ducke) Ducke Leguminoseae – Caesalpionideae.

Texto: Rafael Guedes – Comunicação do Programa Amazônia da Conservação Internacional (CI-Brasil). Para mais informações sobre o PPGBio, acesse: http://www.unifap.br/ppgbio .

www.unifap.br/ppgbio

:

Publié dans Meio Ambiente

Pour être informé des derniers articles, inscrivez vous :
Commenter cet article